MENU

MAIS VISTAS

Mãe flagra filho sendo estuprado dentro de casa pelo próprio pai POLÍCIA
Mãe flagra filho sendo estuprado dentro de casa pelo próprio pai
No dia das mães, filha expõe traição da mãe: ‘obrigada por ter ficado com meu marido’ BOMBOU NA NET
No dia das mães, filha expõe traição da mãe: ‘obrigada por ter ficado com meu marido’
Jovem morre sufocado na parte íntima de sua namorada COTIDIANO
Jovem morre sufocado na parte íntima de sua namorada

INFORME

Imagem Site RIMS

A Energisa Mato Grosso do Sul está entre as Melhores Empresas para Trabalhar, segundo o Instituto Great Place to Work (GPTW Brasil), que premiou nesta terça-feira (26/6) em Goiânia, 45 empresas da região Centro-Oeste que......

MÍDIAS SOCIAIS

  • Imagem Site Logar-se
a

Família espera júri um ano após jovem ser morta a marteladas em MS

A musicista Mayara Amaral, 27, foi morta a marteladas, teve o corpo queimado e abandonado num matagal em Campo Grande

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Família espera júri um ano após jovem ser morta a marteladas em MS

Há um ano, a musicista Mayara Amaral, 27, foi morta a marteladas, teve o corpo queimado e abandonado num matagal em Campo Grande, crime que causou comoção no país. O desfecho da história da irmã caçula ainda é de difícil assimilação para Pauliane Amaral, 32.

"Sempre espero que ela apareça, mande uma mensagem. No domingo, espero que venha almoçar, é uma coisa automática. Para mim, ela não foi embora, é tudo muito recente. Eu me pego esperando."

A família também convive com outra espera igualmente angustiante: a do julgamento do baterista Luis Alberto Bastos Barros, 29, réu confesso, preso um dia depois do crime.

O processo tramita na 2ª Vara do Tribunal do Júri e está suspenso até que o réu seja ouvido novamente, no próximo dia 16. Atualmente ele está detido no Presídio de Trânsito de Campo Grande.

Mayara e Luis Bastos tinham um relacionamento e, no dia 25 de julho de 2017, haviam se encontrado em um motel da cidade. O rapaz deu três versões para o crime e, a última, adotada pela defesa, é a de que a matou a marteladas num momento de raiva, após discussão entre eles.

Depois, deixou o corpo em um matagal na rodovia MS-080, região conhecida como Inferninho, e ateou fogo. Ele levou o carro dela e o vendeu.

Quando Mayara foi morta, Pauliane morava em Liège, na Bélgica, e só conseguiu voltar duas semanas depois. "Encontrei meus pais arrasados, minha mãe, catatônica, não tomava banho e não comia."Em meio à turbulência decorrente do crime, viviam outro drama familiar. "Meu pai é alcoólatra e piorou muito depois da morte da minha irmã".

Pauliane diz que, depois de mais um episódio de violência doméstica, ela e a mãe saíram de casa. A mãe, Ilda Cardoso, entrou com pedido de divórcio, além de obter medida protetiva contra o marido. "Parece que ela [Mayara] morreu para nos mostrar que não podemos nos subjugar a nenhum tipo de violência", diz.

"Tanto eu como minha mãe nos tornamos mulheres mais fortes e que não aceitam isso", afirma Pauliane. A reportagem procurou o pai de Pauliane, mas ele não respondeu.

Em setembro de 2017, o Ministério Público ofereceu denúncia sob a acusação de latrocínio contra Luis Alberto Bastos Barros. Porém o juiz Wilson Leite, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, declinou competência e remeteu o processo para a 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Para o magistrado, o caso se configurava como crime contra vida, não sendo o roubo um fator preponderante.

Em outubro, a Promotoria recorreu da alteração de latrocínio para homicídio. Em maio, o recurso foi negado pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e o processo começou a tramitar na 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Luis Bastos passou a ser acusado de homicídio qualificado por feminicídio (violência motivada pelo gênero da vítima), motivo fútil e emprego de meio cruel, além dos crimes de furto e ocultação de cadáver. "Estamos de mãos atadas, esperando que a Justiça nos dê uma solução. É muito desgastante", diz Pauliane.

No dia 2 de julho, ocorreu a primeira audiência de testemunhas de acusação. Ela não estava em Campo Grande, mas conta que a mãe fez questão da presença do réu durante o depoimento."Ela queria dizer tudo olhando para ele, mas, em momento algum, ele sequer ergueu o rosto para olhar para ela."

Houve uma segunda audiência, no dia 30 de julho, e o suspeito passou nesta terça-feira (7) por exame de sanidade. O réu será agora ouvido no dia 16 de agosto.

O advogado do réu, Conrado de Sousa Passos, diz que a análise será importante para atestar a linha da defesa, de que o rapaz estava sob efeitos de drogas, não sendo capaz de discernir a gravidade do fato.

Além disso, exames anteriores mostrariam a instabilidade emocional de Bastos, que iria internar-se para tratamento por dependência química. A Promotoria não irá recorrer da decisão.

O advogado diz acreditar que será possível atestar a semi-imputabilidade do réu, o que pode garantir a redução da pena, caso o juiz Aluizio Pereira dos Santos determine que o rapaz seja levado a júri popular. Essa definição será dada após as alegações finais da defesa e da acusação, ainda sem prazo previsto.

À espera do julgamento, Pauliane e a mãe dividem as lembranças da irmã. Os violões da musicista e outros itens pessoais foram levados pelo pai, quando ele foi obrigado a deixar a casa da família. Agora, fazem parte da disputa judicial travada pelo casal na divisão dos bens, no processo de divórcio. A elas, restaram algumas fotos no computador e a bicicleta de Mayara.

Quando o caso for encerrado, mãe e filha planejam deixar Campo Grande. Enquanto isso, a mãe retomou os estudos e quer cursar psicologia. Pauliane terminou doutorado em letras e acompanha o processo. No ano passado, ela denunciou que Luis Bastos estaria usando as redes sociais de dentro do presídio.

Segundo a Agepen-MS (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário em MS), um celular foi encontrado com o baterista.

Ele foi isolado em cela disciplinar e punido com falta grave, o que pode aumentar o tempo de permanência na prisão em caso de condenação. Com informações da Folhapress.

Fonte: Notícias ao Minuto

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para Família espera júri um ano após jovem ser morta a marteladas em MS

Enviando Comentário Fechar :/
Image
Top